Combustível Aditivado: Saiba quando usar

Gasolina ou etanol aditivado custam mais caro, mas a longo tempo é benéfico ao motor.

Segundo o engenheiro Henrique Pereira, da comissão técnica de motores ciclo Otto da SAE Brasil, a melhor escolha depende da forma e utilização do veículo. Pereira explica que a gasolina comum tem tempo de oxidação muito curto e quando envelhece forma uma goma no fundo do tanque. Além disso, como resultado da queima, gera depósitos no motor que ficam apoiados sobre as válvulas, e isso prejudica o bom funcionamento do carro. “O uso contínuo de gasolina aditivada minimiza a possibilidade destes problemas, pois contém detergentes que diluem a sujeira e limpa o motor, e além disso, o tempo de oxidação é mais longo”, comenta Pereira.

Flex: etanol ou gasolina?

Pereira explica que o etanol tem poder de limpeza sobre a gasolina. Assim, para quem tem carro flex e utiliza somente gasolina, Pereira recomenda a utilização eventual de um tanque de etanol para limpar o sistema de injeção.

O engenheiro alerta no entanto para o prazo de validade do etanol, que quando fica velho forma um gel no tanque de combustível. “Além disso, o etanol é um combustível seco, não tem lubricidade”, explica. Por conta da falta de lubricidade, a Shell desenvolveu um aditivo para o etanol, que segundo a empresa cria uma película lubrificante capaz de proteger e reduzir o atrito entre as partes móveis do motor que entram em contato com o combustível.

Aditivo avulso

Outra alternativa para manter o sistema de injeção sempre limpo é o uso de aditivos avulsos, que se aplica diretamente no tanque e se mistura ao combustível. Pereira alerta, no entanto, para a qualidade deles. “É difícil indicar esses produtos, pois sabe-se pouco sobre eles. Existem algumas boas marcas, e outras que chegam a corroer peças metálicas”, afirma Pereira.

A recomendação do engenheiro é usar com critérios, porém nunca, jamais adicionar aditivo de etanol na gasolina, nem vice-versa. “O aditivo do etanol é um lubrificante ou para evitar a formação de gel no tanque e se adicionado à gasolina a reação é desastrosa”

Fonte: Revista Autoesporte